quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

O Baile de Fim de Ano...

Há certos produtos que eu faço, que me dão trabalho! Processos demorados, complicados, para conseguir finalizar com um produto de boa qualidade. Durante estes anos que estou me empenhando em aprender a confecção de produtos perfumaria de antiquário, tenho apanhado bastante. E há um produto, na verdade o primeiro que eu criei, o sabonete de cinzas, que sempre me dá um baile, por isso, um deles se chama Cinderella. Há também o Casa Grande e o Oxé Dudu.
Desde o zero, o sabonete de cinza começa como na foto acima. Acendendo o fogão de lenha com as folhas da araucária, que pegam fogo loguinho e num instante acendem os galhos de jatobá. Escolho a lenha, sempre o que queima rápido por ser resinoso, vem na frente, como pinho, eucalipto, jatobá, quaresmeira. Depois as madeiras mais duras, que me dão uma cinza muito boa de potassa.
Você pode pensar, mas qualquer cinza não seria boa? Sim, pode acabar em sabão. Mas a minha vai virar sabonete...
Coleto a cinza com uma pá de metal e uma vassoura de capim, que eu também faço. Coloco gentilmente em meu caldeirãozinho de ferro, já todo sovado de cinza...
E trago para casa, para fazer a decoada. Percolo a cinza com água fervente, dela sai uma barrela escura, rica em sais minerais, principalmente hidróxido de potássio, a postassa cáustica, que vai reagir com os ácidos graxos das gorduras que eu selecionar e irá compor o sabonete.
No Casa Grande, uso soda cáustica, misturada com a potassa (faz tempo que não faço este sabonete lindo!). No Cinderella, somente uso soda, quando a minha barrela não ficou forte o suficiente para virar sabão, mas é raro. No Oxé Dudu, o combinado é não ter soda.
Muitos me pediram a receita. Eu já fiz até o passo a passo, mas francamente, é chato! Ninguém tem paciência de esperar cozinhando sabão durante dias a fio, às vezes semanas, para depois ficar curtindo meses e meses na forminha e depois secando para depois ser cortado.
Da fabricação à venda, o tempo é de 4 a 6 meses.
Primeiro ele vai para o tacho, para vaporizar a água, até estar em uma consistência leite condensado e vai então para o caldeirão. Desta panela de 5 litros, o rendimento aproximado será de uns 2 litros de sabão. o que dá uns 2,5 kg.
Ele encolhe bem!
Esta partida explodiu! Sim, a cinza contém enxofre, potássio, amônia, e enquanto o sabonete ferve, os ácidos graxos da gordura se separam da glicerina e BUM! Nitroglicerina, na parada!
Nesta hora, uma ligeira virada na colher e o sabão vira vulcão.
Aliás, sabonete de cinza é a maior razão de ter construído uma sabonetaria separada da casa! Estava cansada destas explosões vulcânicas dentro da perfumaria!!!
Não é à toa que São Floriano é protetor dos saboeiros e dos bombeiros! Viva!
Perigoso, né? E fede! Sim, são alguns dias de fedor de sabão de cinza invadindo a casa!
Outra razão para ficar lá fora!
Mas se é trabalhoso, complicado e perigoso, por que não paro de fazer sabonete de cinza? Porque o sabonete final é um produto incrível, que me vale o apelido carinhoso, de Xabru. As explosões são fenomenais (risada cavernosa)!!!
Depois que vai para a forma, ainda vai perder muita água. Você pode reparar, na foto acima, a marca inicial de nível do sabão, e quanto desceu. E vai descer ainda mais.
A água vai evaporando lentamente e o sabonete vai endurecendo. Sai para o corte como se fosse uma barra de doce de leite.
Na pele, seu efeito é suavemente esfoliante, rico em sais, equilibra o tônus da pele, deixa a pele super limpa, reduzindo as manchas, marcas de espinhas, pequenas cicatrizes. Tudo com toque de veludo.
Sempre tem alguém que diz:"Minha avó sempre fazia! Com a gordura usada da cozinha, com sebo, com banha de porco, com a cinza que estivesse no borralho e com lixívia de soda. Um sabão que era enrolado à mão e acondicionado em palhas de milho. Não tinha um cheiro nada agradável, mas era excelente para a pele!"
Mas minha barra de sabonete de cinza é feita com ceras, óleos, manteigas vegetais de primeira qualidade. Nesta última partida usei manteiga de ucuuba e murumuru, cera de abelha, óleo de dendê, coco babaçu, própolis. O toque aveludado e cremoso vem acompanhado de espuma rica e densa.
E o perfume! Para perfumar sabonete de cinza precisa ter experiência! Caso contrário vai gastar óleo essencial sem medida e continuará fedido.
"Ah! ensina o segredo?"
Não! Se explodir e você se queimar, a culpa será toda minha!
Assinado, Xabru!

Um comentário:

  1. Não é necessário a receita “explicita!
    Esta explicada “minimalisticamente”…..
    1) profundo amor pelo que se faz…
    2) respeito pela paciência….
    3) e uma teimosia inebriante….

    ResponderExcluir